Centro de Ensino Teológico Saber e Fé
Vida financeira

Vida financeira – 4 princípios bíblicos

O abuso de certos pontos legítimos das Escrituras oferece dois perigos: o de abraçá-los e o de rejeitá-los sem reflexão. Os desvios e extremismos, com respeito à vida financeira nas Escrituras, têm levado alguns a ações destrutivas e outros a rejeitarem sábios conselhos da Palavra de Deus. Tanto uma ação quanto a outra devem ser evitadas.

Todavia, jamais podemos esquecer que “toda Escritura é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça, para que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente instruído para toda boa obra” (2 Timóteo 3.16, 17). Deus nos deu em sua Palavra princípios que podem orientar toda a nossa vida, inclusive nossa vida financeira. Ignorá-los é estar fadado ao fracasso.

As Escrituras contêm muitos princípios para uma vida financeira saudável. Compartilho aqui apenas quatro destes princípios, utilizando traduções diferentes sempre que se fizer necessário:

4 princípios bíblicos para a vida financeira

1º As finanças não são a principal coisa de sua vida

Qualquer pessoa que pense que são e assim as priorize verá a sua vida consumida ao longo dos anos. Sua família, sua saúde, sua vida com Deus, tudo entrará em declínio. E só restará o dinheiro que, então, nada valerá. Colocar a vida financeira à frente de tudo gera muitas dores. Se, em sua busca por prosperidade financeira, você perder o seu temor por Deus e encher-se de ansiedade e inquietação, estará fazendo um péssimo negócio. Essa riqueza estará roubando sua vida com Deus e a paz do seu coração.

 “É melhor ter pouco com o temor do SENHOR do que grande riqueza com inquietação”. (Provérbios 15.16)

 2º Nenhuma riqueza desonesta compensa

Não pense que estamos falando de algo incomum. Não são poucos aqueles que seguiram por determinados caminhos, conquistando prosperidade à custa da honestidade. Muitos daqueles que entraram para o mundo da política adquiriram uma melhor condição econômica e, ao mesmo tempo, emporcalharam suas vidas.

“É melhor ter pouco com retidão do que muito com injustiça”. (Provérbios 16.8).

 3º Riqueza que produz contenda não é boa

Se a prosperidade perturba seu lar, destrói sua casa e corrói seu casamento, então ela não é boa. Muitos dão tudo para sua família, inclusive a si mesmos, mas não o amor que ela precisa. O trabalho desmedido em busca da riqueza gera conflitos, guerras, divisões e brigas no seio do lar. Não há equilíbrio entre trabalho e família. Muitos lares e casais, unidos na dificuldade financeira, tornaram-se divididos e rancorosos na prosperidade. Isto não vem de Deus.

 “Melhor é um pedaço de pão seco com paz e tranquilidade do que uma casa onde há banquetes e muitas brigas” (Provérbios 17.1).

4º Trabalhe

Destacando ou quase monopolizando um único princípio bíblico, que é a consagração de parte de nossas rendas a Deus, alguns têm transformado ofertas e dízimos em uma espécie de poupança programada. Você deposita com regularidade e fica aguardando ser sorteado para tornar-se rico milagrosamente. A Bíblia não ensina isto, ensina a trabalhar; e trabalhar com sabedoria, diligência e paciência. Comer o pão com o suor do rosto é bíblico. Desejar riquezas sem trabalho é antibíblico.

 “As mãos preguiçosas empobrecem o homem, porém as mãos diligentes lhe trazem riqueza” (Provérbios 10.4).

Não se fala aqui das mãos do crente, mas das mãos do homem. Qualquer pessoa que seguir este princípio terá chance de prosperar. O contrário gerará carência, pobreza. Como diz uma versão parafraseada: “Quem é preguiçoso no seu trabalho, fica pobre depressa; quem trabalha pra valer, acaba ficando rico” (Bíblia Viva).

A riqueza como fruto do trabalho é claramente ensinada nas Escrituras. Pessoas que não conhecem a Deus, mas acreditam no valor do trabalho árduo, prosperam porque, mesmo sem saber, estão obedecendo a um princípio da vida. O ditado “Deus ajuda a quem cedo madruga” pode parecer um tipo de incredulidade a princípio. Todavia, a Bíblia é bem clara em mostrar que Deus não abençoa ao ocioso, ao preguiçoso, àquele que não tem disposição e ânimo para fazer o que precisa ser feito; mas são os dedicados que prosperam.

Estes são apenas alguns princípios entre muitos que podem nos ajudar a entender que Deus se importa sim com nossa vida financeira, e não deseja de modo algum que atitudes erradas nos afastem dele e nos levem a perseguir ilusões que, por fim, só nos trarão dores.

Comentário

  • Samuel Vinícius
    Responder

    Ótimo texto Eguinaldo.

    Muitas pessoas estão tendo suas vidas arruinadas por não conhecerem o proposito de Deus nas finanças.

    Escrevi um artigo na mesma linha desse deste e acredito que pode ser de ajuda também:

    [INFOGRÁFICO] 25 Princípios Bíblicos sobre Finanças que você deveria conhecer e praticar
    http://vamosprosperar.com/dinheiro-na-biblia/

  • Valdirene
    Responder

    Muito bom esse artigo.

  • helton
    Responder

    sobre vida finceira porque a minha esta muito ruim

  • Henrique
    Responder

    Sempre e bom ter FÉ em DEUS, que tudo da certo.
    AMÉM.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

WhatsApp chat